Um circo no nevoeiro

Livro físico R$28,50
Favoritar
Favoritar
Trecho do livro

A névoa melancólica e reflexiva que paira sobre os poemas da escritora portuguesa Renata Correia Botelho merece ser contemplada. Em pouco mais de 40 páginas, uma voz, tão incisiva quanto lírica, aproxima o/a leitor/a de questões como a morte, a ausência e seus contrários.

Ana Elisa Ribeiro

Em estoque

Dados técnicos

Título: Um circo no nevoeiro
Autora: Renata Correia Botelho
ISBN: 978-65-5026-050-7
Dimensões: 14×21 cm
Páginas: 50
Gênero: Poesias
Ano: 2019

Sobre o livro

A névoa melancólica e reflexiva que paira sobre os poemas da escritora portuguesa Renata Correia Botelho merece ser contemplada. Em pouco mais de 40 páginas, uma voz, tão incisiva quanto lírica, aproxima o/a leitor/a de questões como a morte, a ausência e seus contrários. Se, como diz um dos textos, “o poema só se forma // no fio da navalha”, temos aqui a oportunidade de divisar o abismo, sentindo mais que pensando, às vezes. Dos recursos que a poeta mobiliza a fim de obter seus poemas talvez o mais marcante seja a metáfora, uma mescla de sentidos às vezes improváveis, mas que funcionam na propulsão das sensações que sua breve poesia traz. A pinçar alguns versos, à página 16, eles propõem o sentipensar de que um dos Pessoa já tratava: “o coração que me deixaste // é uma casa difícil de habitar”. Poemas também são difíceis de habitar. Talvez não sejam mesmo moradas, como as entendemos. Talvez sejam sopros (“de outono”), noites chuvosas que abrirão o céu mais adiante (“esta noite / amor, choveu tanto”), ausências absolutas, infinitas ou temporárias (“um seixo em cada mão e o mar / às coisas. a tua ausência será // um calendário de pedras”), nostalgias & lembranças apenas, sem o componente da dor. Poemas podem ser barulhos, silêncios & intervalos indefiníveis entre um e outro (“aprendeste o silêncio / em várias línguas”), instantes rasurados (como a voz lírica diz no singular), lobos em peles de cães de guarda – ou o contrário. A poeta apresenta aqui uma coletânea de canções tristes, mas persistentes e pertinentes. “Vêm dizer-nos da aridez / do poema”, árido em grãos, poemas sem títulos, breves como socos curtos, secos, mas cheios de eco. O que ocorre a um circo no nevoeiro? Que força tem essa imagem? O/a leitor/a a encontrará entre os versos, no contexto, e nem diremos a página… Um dos poemas alerta: “vai pesar”, coisa que todo/a leitor/a pode fazer o favor de ignorar.

Ana Elisa Ribeiro

Sobre a autora Renata Correia Botelho

Renata Correia Botelho (1977) nasceu e vive em Ponta Delgada, Açores, Portugal. Licenciou-se em Psicologia, pela Universidade do Porto. Realizou algumas traduções, com especial destaque para a obra De Olhos Abertos, de Marguerite Yourcenar (Relógio D’Água, 2011). Tem 3 livros de poesia publicados, a título individual: Avulsos, por causa (separata da Revista Magma, 2005; Língua Morta, 2010), Um Circo no Nevoeiro (Averno, 2009) e small song (Averno, 2010; Alambique 2015). Está presente em diversas edições coletivas, bem como em antologias poéticas regionais, nacionais e estrangeiras. Colabora regularmente com revistas literárias e com diferentes expressões artísticas, como a música, a pintura, a escultura, a dança e o teatro.

Você também pode gostar de…