Carrinho 0

Poesia de geladeira ,

Título: Poesia de geladeira
Autora: Viviane de Freitas
Dimensões: 14 x 21 cm
Páginas: 152
Gênero: Poesia
Ano: 2017
ISBN: 978-85-92579-25-8
Edição: 1ª

PRÉ-VENDA

R$35,00

Em estoque

ID do produto: 1861 REF: ED22. Categorias , .

SOBRE O LIVRO

“Poesia de Geladeira” é um soco no estômago.

E se você é leitor de tira-gosto ou imaginou poemas com um quê de recadinhos colados à porta esmaltada, se enganou: a poesia aqui se come fria e crua. São poemas de dentro da geladeira, não de fora.

Viviane de Freitas estreia na literatura com um livro dedicado aos analfabetos, disléxicos, cegos, dementes, bárbaros, bêbados e gagos, porque, ao que parece, somente eles não ignoram as extremidades, essa camada de gelo que protege e preserva o núcleo da ideia num corpo invadido e sempre em processo de deterioração. Essa destinação diz muito do ponto de partida: o lirismo não sentimental e consciente de que tudo é sacrifício e descrença, tudo é morte e dificuldade, porém de ombros erguidos. Literatura em/de carne viva. Escritura que não se rende ao artifício. Arte. E aí dá pra encarar?

Se sim, aviso: venha com mãos de alcançar funduras, porque elas terão de enfrentar poemas que não economizam o olhar direto e afiado às coisas que rodeiam – se se fala de morte, é para esclarecer que “morrer é caro e eu estou sem crédito”; se se fala de poesia, é para encontrá-la “sob o lodo da pia / a poesia / natimorta / gorduras e bacias”. Se é para olhar o outro, é para denunciar a conta sempre inexata que se faz à mesa no poema “quatro”. São poemas que [se] cortam e ficam, em pé, vendo sangrar.

Se você ainda está aqui, certamente, tem dentes fortes, de quebrar “rimas agridoces para a fome noturna”. Talvez seja como eu, um leitor de acostamentos. Ou como ela, uma poeta que, contaminada de poesia, diz: “fecho os olhos para a vida que tenho / rastejo em direção à utopia”.

Se utopia não, ternura sim, e é isso que faz oscilar a temperatura do congelador: “morrer me seduz / só falta criar coragem de cortar raiz / a poesia puxa a gente pra debaixo da terra / aí a gente fica assim, semeada, sem vontade de largar esse mundo besta”. Meia verdade: o mundo fica menos besta, mais real e palpável, depois desse livro. Mas não se engane, “poesia de geladeira” é, sim, um soco no estômago.

E aí dá pra encarar?

Geruza Zelnys

 

SOBRE A AUTORA

Viviane de Freitas é uma pessoa que escreve para sobreviver. Especializada em literatura pela PUC-SP, é jornalista, redatora e mestre em Divulgação Cultural pela Unicamp.

 

LIVRO DIGITAL

AMAZON
iBOOK
KOBO
CULTURA
GOOGLE
SARAIVA

Peso 207 g
Dimensões 14 x 0.8 x 21 cm